“Vamos trazer saúde através da nutrição com mutualidade”, aponta Pierre Wagner, presidente da ROYAL CANIN®


Deprecated: strpos(): Passing null to parameter #1 ($haystack) of type string is deprecated in /home/medicinaveterinariaemfoco/public_html/wp-content/themes/blocksy/inc/components/blocks/blocks-fallback.php on line 16

Por Samia Malas

Pierre Wagner já foi presidente da ROYAL CANIN® do México; responsável global pelo Pilar Veterinário no campus da ROYAL CANIN® na França; liderou o Pilar Veterinário nos Estados Unidos e foi também Diretor de Mercado da Suíça

Executivo conversou com a Redação da revista sobre sua carreira e perspectivas da indústria de ração no Brasil

francês Pierre Wagner, presidente da ROYAL CANIN® Brasil, está no país há 1 ano e meio, mas na empresa, sua trajetória completará 30 anos no dia 1 de novembro de 2023, como o próprio profissional pontua em uma entrevista exclusiva que concedeu à revista Medicina Veterinária em Foco. Pierre, que é médico-veterinário de formação e possui MBA em Negócios pelo Institut Supérieur de Gestion (ISG), de Paris, já atuou em mercados de mais de 40 países, mas se deslocou e vivenciou seis deles de perto: México, Alemanha, Estados Unidos, Suíça, França e agora, Brasil. Em cada desafio, Pierre assumiu diferentes cargos ao longo de sua carreira na companhia: já foi presidente da ROYAL CANIN® do México; responsável global pelo Pilar Veterinário no campus da ROYAL CANIN® na França; liderou o Pilar Veterinário nos Estados Unidos e foi também Diretor de Mercado da Suíça. Além da profunda experiência na companhia, possui paixão por pessoas, diferentes contextos de mercado e culturas. “Atuei como clínico veterinário apenas por 2 ou 3 anos e logo já entrei na ROYAL CANIN®. O que me atraiu na empresa foram suas diretrizes, que são muito bem alinhadas com o meu propósito de vida: descobrir, experimentar e inspirar outros a mudarem o futuro. E a ROYAL CANIN® dá essa oportunidade para quem atua nela. Eu mesmo já passei por quase todas as áreas do negócio”, aponta Pierre, que compartilhou um pouco de sua vasta experiencia de mercado conosco com muita simpatia. Confira, a seguir, como foi esse bate-papo.

{PAYWALL_INICIO}

Revista Medicina Veterinária em foco: Nesses 30 anos o segmento pet food evoluiu muito e a ROYAL CANIN® teve que se adaptar ao mercado. Quais têm sido as estratégias para se manter em um meio tão competitivo?

Pierre Wagner: Teve muita mudança nestes 30 anos, mas sem dúvida, a mais marcante foi a posição dos animais de estimação dentro da sociedade, que de cães de quintal se tornaram membros da família. Essa mudança é uma grande oportunidade, pois o crescimento do mercado pet foi extraordinário e de todos os setores, desde o veterinário até os serviços que foram impactados. E a ROYAL CANIN® também foi impactada com essa evolução. Nosso propósito é o de fazer um mundo melhor para os pets porque eles fazem um mundo melhor para nós. Então, temos a missão de trazer saúde através da nutrição com mutualidade em nossa essência.

O que vem diferenciando a ROYAL CANIN® dos demais fabricantes de pet food é que não estamos seguindo tendência alguma. Não estamos pesquisando donos para achar o melhor alimento, mas sim, através de parcerias com universidades. Não nos baseamos no desejo dos humanos para incluir os ingredientes dos alimentos dos pet. Utilizamos ingredientes para trazer nutrientes reais aos animais. Por exemplo, numa proteína, o importante é o perfil de aminoácidos de cada uma dela e como esse nutriente tem impacto na saúde do animal. Não importa se é boi, peixe, frango, pato etc.

A única tendência que seguimos é a do papel do pet como membro da família. E por conta disso, entendemos que a Medicina Veterinária para pequenos animais deve ser individualizada, o que exige uma alimentação também individualizada – diferentes dos animais de grande porte, cuja veterinária é de massa.

RMVF: E hoje, aqui no Brasil? Desde que ano está no país, à frente da marca e quais têm sido os focos da ROYAL CANIN® no mercado brasileiro?

Pierre: O Brasil é um mercado muito interessante, pois tem mais de 500 universidades e forma milhares de veterinários por ano. Então, temos parceria com universidades que estão fazendo pesquisas na parte nutricional de pets ou que têm nutricionistas, para trazer conhecimento e aprender, é uma troca. Temos também o Portal Vet, uma plataforma online e gratuita, desenvolvida pela ROYAL CANIN®, totalmente dedicada para apoiar o Médico-Veterinário com soluções inovadoras e completas, e que oferece praticidade e facilidade para o profissional que atua diariamente com o atendimento clínico dos animais de estimação. Temos também o Programa de Suporte para Médicos-Veterinários, que oferece às universidades, clínicas e hospitais parceiros interessados pelo projeto, de forma gratuita, mais de 50 módulos estruturados que ensinam o profissional a identificar resultados e riscos do estresse e da ansiedade no trabalho, oferece habilidades na resolução de situações como conflitos e fadiga da compaixão e ensina como melhorar a forma de trabalhar com o gerenciamento das expectativas do cliente sobre resultados clínicos e valores.

Também participamos de eventos e congressos veterinários em todo o Brasil, inclusive com palestrantes da ROYAL CANIN® que trazem informações a todos. Fizemos o 1º Simpósio de Residentes de Medicina Veterinária, realizado em 2021 com a participação de mais 400 estudantes de 22 estados brasileiros, o evento ocorreu em formato online e apresentou tópicos relacionados às melhores práticas na Medicina Veterinária.

Temos iniciativas no mercado de *felinos também, pois estamos agitando a clínica para que fique mais cat friendly, para ajudar a aumentar os negócios, atendendo esse pet de forma mais adequada.

Todas estas iniciativas estão alinhadas ao princípio de que, para uma alimentação mais precisa é necessário ter um diagnóstico também preciso, ou seja, quanto mais preciso o diagnóstico, mais precisa pode ser a influência da alimentação. Então, antes de receitar qualquer droga, um veterinário deve se perguntar em que alimento ele poderia utilizar nesse caso. Se estamos melhorando a parte do diagnóstico, podemos interferir muito antes da doença começar fazendo uma medicina preventiva. Essa é a filosofia da ROYAL CANIN®, de precisão nutricional. A nível global temos 750 produtos, mas no Brasil apenas 200 estão disponíveis, o que mostra o quanto ainda podemos crescer e trazer muito mais inovação para o país. Tudo está vinculado à capacidade de realizar diagnósticos mais precisos. Aqui temos clínicas super tops, com o mesmo nível de clínicas dos EUA, por exemplo, mas também temos muitos consultórios que estão fazendo coisas muito básicas. Então, nosso trabalho também é o de elevar a barra, subir o nível do atendimento veterinário trazendo mais conhecimento, educando veterinários e trazendo conhecimentos de todo tipo, não só relacionados à nutrição animal.

Pierre ao lado de Renata Bacila, vencedora da edição 2023 do Prêmio WALTHAM™ de Pesquisa de 2023. Cerimônia de premiação foi realizada durante o Congresso Brasileiro de Nutrição Animal. Foto: Divulgação/Royal Canin

RMVF: Nosso mercado tem suas particularidades. Quais você poderia destacar, a partir da sua experiência com os EUA e a Europa?

Pierre: Antes do Brasil fiquei 2 anos no México, antes disso estava na França, trabalhando no Centro de Pesquisa, e um dos meus cargos, foi preparar novidades da empresa. Toda a minha carreira foi um incremento de cargos e responsabilidades. Foi no México que exerci pela primeira vez o cargo de general manager da companhia. No Brasil vim por uma razão pessoal e também porque o país tem um potencial incrível nesse mercado, pois é o terceiro em numero de cães e gatos. Toda a parte de saúde animal tem um tamanho de 42 bilhões, 80% vinculado a rações e os serviços veterinários representam 14 % desse valor, e acho que vai crescer muito também. Hoje temos um posicionamento nichado e estamos alimentando 1% dos animais no Brasil, então estou animado para fazer crescer esse mercado.

Outra particularidade é que o Brasil é um país dos extremos. Temos a natureza mais linda do mundo de um lado e do outro lado, temos cidades urbanizadas, como São Paulo. Então, foi preciso também adaptar o marketing da empresa, e como estamos entregando produtos. É difícil cobrir todo o país, que tem dimensões continentais. Então tudo precisa ser adaptado, incluindo a parte de logística. Outra surpresa para mim foi a complexidade tributária que temos no Brasil, nunca vi sete diferentes tipos de imposto em um país.

Acho que a indústria em geral, precisa da ajuda dos veterinários para crescer, pois a ração no Brasil ainda é considerada um produto de luxo. A** Human Animal Bond Research Institute (HABRI) publicou uma pesquisa que apontou o fato de os pets estarem reduzindo o custo de saúde pública dos Estados Unidos em 22 bilhões, o que é algo enorme. No Brasil isso é muito importante, e é uma das missões: elevar o papel dos pets no Brasil aos índices de saúde pública do país. Isso vai reduzir o custo da saúde no Brasil, o que é, para mim, uma inspiração de trabalho a fazer.

RMVF: Como médico-veterinário de formação, como avalia essa relação da nutrição como forma de manter a saúde do animal, como coadjuvante do tratamento veterinário? Nesse cenário, qual o papel da indústria pet food? E do veterinário?

Pierre: Me sinto ajudando muito, talvez de maneira diferente, na melhora da saúde dos animais de companhia. Não atuando na prática veterinária, mas como aliado da indústria veterinária. Na ROYAL CANIN® nível mundial temos 500 veterinários trabalhando em diferentes áreas da empresa. E o fato de ser veterinário me facilita muito em fazer o vínculo entre saúde e nutrição.

RMVF: E em termos de pesquisa, você poderia compartilhar um pouco do que tem sido novo e de ponta em termos de Ciência, segundo dados da ROYAL CANIN®?

Pierre: Estamos desenvolvendo uma nova área de alimentos voltada para filhotes. Quando olhamos na medicina humana, temos toda uma parte de pré-natal e pediatria, que não existe na medicina veterinária ainda. Está começando-se a estudar mais a parte pediátrica e medicina neonatal entre pets. Nossa nova linha de filhotes está mais alinhada às novas ***descobertas desse segmento, como as três fases de crescimento nos gatos e quatro fases no cão, que descobrimos recentemente e adaptamos à nossa nova linha de filhotes. Continuamos a trazer muitas informações nessa parte pediátrica, que é uma oportunidade para criar novos alimentos e para o veterinário, pois o dono do filhote é um novo cliente para a clinica.

RMVF:  O que podemos esperar da ROYAL CANIN® Brasil para os próximos anos?

Pierre: Primeiro crescer no mercado, mas não crescer a qualquer preço. Vamos trazer saúde através da nutrição com mutualidade. Queremos ter um animal saudável, mas conseguir isso sem ter um planeta e uma sociedade saudáveis não faz sentido. Tudo está alinhado à economia de mutualidade. O futuro de ROYAL CANIN® vai ser conseguir um equilíbrio entre o capital humano, financeiro e social. Por exemplo, como podemos produzir alimentos sem impactos negativos no planeta? Temos como meta, nas fábricas da empresa, incluindo a de Descalvado-SP, de até 2025, ter produção carbo neutro. Dentro da indústria de alimento 70% da carga de carbo está vinculada às matérias-primas, então, precisamos mudar como trabalha o fornecedor, fazendo com que ele se adapte à agricultura regenerativa. Assim, teremos o mesmo ingrediente, mas produzido de maneira muito mais contingente e com mutualidade no planeta.

O futuro da ROYAL CANIN® não é só o de produzir alimentos, mas também entregar serviços e cuidar do ecossistema, senão não vamos sobreviver sem isso. Temos também um papel muito grande no Brasil de inclusão e diversidade. Temos um compromisso com a ONG MOVER para ter uma porcentagem de liderança negra dentro da ROYAL CANIN® Brasil. Esse é o reflexo da visão da ROYAL CANIN® e da Mars, de que uma empresa deve refletir a sociedade e não pode ser representada por apenas uma parte dela. Temos muito trabalho, mas isso me anima também porque é um propósito muito legal.

RMVF: Poderia deixar um recado para os veterinários do Brasil?

Pierre: A maioria dos veterinários sai na faculdade para praticar a medicina veterinária. Mas sei também que as novas gerações querem fazer outras coisas. Saibam que o mundo está aberto aos veterinários, pois a nossa formação é muito ampla, podemos aprender a analisar dados, implementar processos etc., habilidades que podem ser aplicadas em diferentes indústrias. Ou seja, há meios de fazer carreira de outra maneira além da prática veterinária.

* Campanha Meu Gato no Vet: campanha realizada pela marca para promover a conscientização dos tutores sobre a importância do acompanhamento veterinário regular.

** Pesquisa HABRI: material sobre carga tributária pet food x essencialidade dos pets: Health Care Cost Savings of Pet Ownership | HABRI.

*** Guia de Obstetrícia e Pediatria Felina: material escrito por especialistas brasileiros; bastante completo para apoiar profissionais nos cuidados com felinos desde o início da vida. Será lançado oficialmente no Cat Congress, que acontece de 09 a 11 de junho em São Paulo.

{PAYWALL_FIM}